quinta-feira, 8 de setembro de 2016

1ª acampada da Mariana - Camping do Paiol

Depois de 15 meses sem acampar, agora chegou a hora.
Tomamos coragem, arrumamos as tralhas e partimos rumo a Águas da Prata/SP - Camping do Paiol.

Primeiro vou falar como fizemos para escolher um camping.

Como a Mariana tem só 9 meses, então queríamos um camping que tivesse uma boa estrutura e fosse próximo a Pouso Alegre/MG (nossa cidade), consultamos alguns campings, fuçamos nos blogs dos amigos e ficamos entre o Camping Recanto dos Carvalhos em São Lourenço/MG e o Camping do Paiol.
O Recanto dos Carvalhos não foi descartado não, ainda queremos muito ir pra lá, mas dessa vez o escolhido foi o Camping do Paiol.

Nossa intenção era sair de Pouso Alegre sexta-feira por volta das 15h...mas com criança e mil coisas para levar essa missão foi bem impossível...depois de sair e voltar 3 vezes finalmente conseguimos pegar estrada rumo a Águas da Prata às 17:00.
Aconteceu tudo do jeito que eu não queria, não queria chegar no camping à noite, não queria ter que montar a barraca à noite, mas foi o que deu pra fazer.

Por volta das 19h de sexta-feira (dia 2 de setembro) chegamos no camping.
Foi super tranquilo de encontrar, logo que passa a praça de pedágio (estrada entre Poços de Caldas e Águas da Prata) já tem um plaquinha indicando camping...aí é só andar mais uns 500 metros e chegou.


Chegamos no camping bem na hora da papinha de janta da Mariana, ai pensamos em montar primeiro o móvel de cozinha e o fogão para esquentar a comidinha dela em banho-maria (ia demorar um pouquinho, mas era o que dava), mas já na recepção eu perguntei se não tinha um lugar para esquentar a papinha (assim como quem não quer nada), aí o moço da recepção disse que ele esquentava pra mim no micro-ondas da lanchonete. Ufa...uma coisa a menos para preocupar naquele momento.

Enquanto eu dava a papinha para a Mariana o Lu foi montando a barraca (que ele não se lembrava como montava...rsss...mas no final deu certo).

Demoramos um pouco para arrumar tudo, mas conseguimos e às 21h Mariana já estava dormindo.
Nos preocupamos em fazer tudo dentro da rotina dela, para que ela se sentisse bem, pois um bebê fora da rotina fica bem chato e nervoso.

Bebê dormindo, chega a hora dos pais curtirem um pouquinho.
O Lu fez um cachorro-quente e ficamos conversando e tomando cerveja (a minha sem álcool, porque eu ainda estou amamentando) até a hora que ficamos com sono (e isso não demorou muito pra acontecer).

O camping tem regra do silêncio, após às 22:30 não pode fazer barulho, nós fomos dormir mais tarde que isso, mas percebemos que nossos vizinhos bem antes disso já estavam com as luzes apagadas.

1ª noite muito bem dormida, a Mariana dormiu super bem, como se estivesse em casa.
Mas ela estava, só que na nossa cassa móvel, nossa casa de passeio.

Achamos muito engraçado quando ela acordou, pois olhava tudo com uma cara de curiosa e depois olhava pra gente e via que estava tudo bem.

Apenas uma coisa nós deixou um pouco preocupados na 1ª noite, pois no camping não pega celular e a internet não estava funcionado, então ficamos completamente incomunicáveis, não consegui avisar a minha mãe que chegamos bem, que a Mariana estava bem, super curtindo.
Mas logo pela manhã, quando estávamos saindo para ir na cidade para tentar comunicação com o Mundo a internet voltou a funcionar.
Estávamos preocupados também com um casal de amigos nossos que iria se juntar a nós no sábado.

Aproveitamos o sábado de manhã para dar uma voltinha na cidade, que não tinha muita coisa.
Fizemos uma trilha ecológica de 1 km até a nascente da Fonte Vilela, que foi a maior furada da viagem, para não dizer mico. 1 km de subida para chegar num lugar e ver um cano caindo água. Não recomendo mesmo.

Achamos a cidade  (pelo menos a parte que fomos) muito mal cuidada.
Demos uma volta nas barraquinhas e na praça em frente as barraquinhas.

A Mariana aproveitou para molhar as mãozinhas nas águas e adorou.

Na praça tinha um pedalinho, muito mal cuidado, mas que estava fechado.

No meio das barraquinhas e no bosque vimos muitos macaquinhos.
Retornando ao camping paramos na cachoeira Cascatinha, só para conhecer e tirar umas fotos, tinha um pessoal nanando, mas estava frio...não animei não.











Sábado a tarde ficamos curtindo o camping, fazendo churrasco e esperando nossos amigos chegarem.
Eles são um casal com dois filhos pequenos de 4 e 3 anos.
















Quando eles chegaram foi só alegria, a Mariana adorou brincar com eles, os 3 ficaram muito amiguinhos logo de cara e brincaram até tarde da noite, não queria ir dormir de jeito nenhum, mas também quando caíram na cama...capotaram.






No sábado a Mariana deu um pouquinho de trabalho para dormir, pois estava muito agitada, mas depois que conseguiu dormir foi tranquilo.








Crianças dormindo...os adulto podem se divertir um pouco também...mas não aguentamos por muito tempo...quem tem criança pequena sabe que é bem difícil ficar curtindo até tarde depois de um dia em que se acordou cedo e cuidou de criança o dia todo.

Nessa 2ª noite o camping já estava mais cheio, tínhamos mais vizinhos, mas ninguém desrespeitou a lei do silêncio, nem nós.

Domingo cedinho já pulamos da cama, a barraca estava um forno e fora da barraca uma ventania doida.
Diversas vezes de madrugada ficamos na dúvida se estava chovendo ou se era só vento, nunca peguei uma ventania assim acampando, mas foi legal, pois nossa barraca aguentou bem (já dá até para ir para São Thomé das Letras).

Fomos passear na cidade de novo, mas agora com nossos amigos e resolvemos ir no Pico do Gavião.
São 17 km de estrada de terra, mas tranquilo, a estrada é boa.
Chegando lá é necessário pagar R$ 10,00 por pessoa, mas vale a pena, pois o lugar é super bem cuidado, tem uma cantina, banheiros super limpos. Lá tem camping também (R$ 30,00) por pessoa, só não vi aonde ficam as barracas. Tem uma cozinha comunitária bem legal e banheiros bem legais, bem mais legais do que os do camping do Paiol.
Pensei se no camping do Paiol já estava uma ventania doida de madrugada e de manhã, imagina lá em cima no Pico do Gavião.
A vista lá de cima é linda e tem parquinho para as crianças, enquanto os adultos curtiam o visual, as crianças brincavam no parquinho.

Lá tinham algumas pessoas pulando de paraglider, mas na nossa turma ninguém se animou de pular não...ficamos só olhando.

De volta no camping...chega a hora mais triste do fim de semana...desmontar tudo e ir embora.
O Lu fez um almoçinho rapinho para a galera e começamos a desmontar as coisas, que demorou bem mais do que tínhamos programado.
Chegamos a conclusão que no domingo não da para passear, temos que ficar na função de arrumar as coisas para ir embora, pois arrumar tudo e ainda olhar um bebe não foi muito tranquilo não, ainda mais quando no meio disso tudo tem que parar para dar comida, banho, mama, colocar para dar uma dormidinha.
Tinhamos programado para sair do camping por volta das 15 ou 16h, mas não rolou, conseguimos sair quase às 18h.

Foi um fim de semana muito agradável, a Mariana curtiu muito, os filhos dos nossos amigos que nunca tinham acampado também adoraram e não queriam ir embora...rsrsr....nem a gente né! Um fim de semana pra acampar é muito pouco...queremos mais e mais.

*Sobre o camping:
Muito legal, apesar dos banheiros serem velhos atende muito bem a necessidade. Estavam sempre limpos.
A estrutura é ótima. Tem parquinho para as crianças, piscina, churrasqueira e cantina (que fecha cedo) que serve café da manhã, almoço e pizza, tem um lago grande para pesca e cachoeira (que não chegamos a conhecer).
Não vou postar fotos do camping, porque no site deles tem muitas fotos e são fieis a realidade.
Voltaria outras vezes.

* dica:
uma coisa que não me lembrava que usávamos e que achei muito legal foi a bacia para levar a louça suja para lavar, nós colocamos o nome dela de PIA era nossa pia, pois íamos colocando a louça suja ali e quando acumulava muito íamos lá e lavávamos...como achei isso muito legal...resolvi compartilhar...porque principalmente para quem esta começando nessa vida campista isso pode não ser uma coisa intuitiva.



















Acampando com bebe



Nesse post vou falar especificamente de como foi nossa experiência de acampar com uma bebezinha.

Nossa filha, a Mariana, tem 9 meses, e desde que ela nasceu estávamos doidos querendo ir acampar, mas queríamos esperar ela poder usar protetor solar e repelente e isso só pode com 6 meses.
Então já sabíamos que nossa primeira acampada seria depois que ela fizesse 6 meses, mas quando ela fez 6 meses estava muito frio aqui na nossa região (sul de minas) e com isso resolvemos adiar um pouquinho.

Acho que fizemos bem, pois no camping tinha muitos pernilongos e se não pudesse usar repelente nela, os pernilongos iriam fazer a festa. Eles adoram os bebezinhos.

Como fomos no mês de setembro, ainda faz um pouco de frio a noite, mas não um frio congelante de junho/julho, e os dias são bem quentes e dá pra curtir bastante.

Um quesito fundamental quando se viaja com bebe/criança é a estrutura do camping, pois eles precisam de um lugar seguro para tomar banho e dormir, então campings com banheiros muito ruins e com muita bagunça de gente, não rola de ir com um bebe.

Quando se viaja com um bebe a escolha do local e do camping tem que ser pensando neles e foi assim que fizemos e chegamos ao  Camping do Paiol em Águas da Prata-SP.

Quanto as comidas:






A Mariana mama no peito ainda, mas já come papinhas e frutas, então levamos as papinhas prontas e algumas frutinhas, além dos talheres dela que usamos em casa e copinho de água.

Nós já temos as coisas de cozinha de camping separadas das
coisas que usamos em casa, mas as da Mariana resolvemos levar as que ela usa diariamente para não haver nenhum tipo de estranhamento
.






















Hora de dormir e sonecas durante o dia:

A Mariana é um bebe que não gosta muito de dormir. Desde que nasceu dá muito trabalho para dormir e essa era uma das nossas preocupações de ir acampar com ela, pois além dela demorar muito para conseguir dormir, ela acorda com qualquer barulhinho.
Então no camping procuramos seguir os mesmos horários de casa, ou seja, a mesma rotina.
Em casa, no máximo às 21h nós colocamos ela para dormir, e no camping procuramos fazer isso também e deu certo. Ela dormiu como se estivesse em casa, nem melhor nem pior.
Como o camping não estava praticamente vazio não tivemos muitos problemas com barulho, os poucos vizinhos que tínhamos foram dormir cedo.

Sobre as sonecas durante o dia foi mais ou menos a mesma coisa. A única diferença é que durante os passeios ela dormiu no sling, mas nos horários em que estávamos no camping ela dormia dentro da barraca no colchão ou no colo.
Em casa também é assim, as vezes dorme na cama, as vezes dorme no colo mesmo.

Não precisamos levar berço ou algum lugar especifico para ela dormir, pois em casa ela já dorme no meu colchão comigo, que por sinal fica no chão para evitar quedas (pois já aconteceram).
Então levamos um colchão de casal e um de solteiro, mesma configuração de casa.
E foi legal, pois quando ela acordou, viu tudo normal, mas ficava olhando pra todos os lados, como se tivesse percebendo que algo estava diferente, mas também estava igual.



Hora do banho:

Para o banho nós levamos uma banheira inflável que comprei no supermercado mesmo.
Eu coloquei para encher no chuveiro do banheiro e depois coloquei ela para tomar banho, assim como fazemos em casa, a única diferença é que em casa a banheira fica no suporte e o camping foi no chão.
Existe inúmeros jeitos e possibilidade de dar banho no bebe mas optamos pela banheira por achar mais seguro.
Ela adorou a banheira, os banhos fora uma delicia.


Diversão

Como a Mariana ainda é muito bebezinha, precisamos de pouca coisa para divertir ela. Mas quando as crianças são maiores, acho legal escolher camping com parquinho e se der com piscina também. Mas o mais interessante é o parquinho, pois eles adoram os parquinhos e passam um bom tempo se divertindo.
Mesmo a Mariana sendo muito pequenininha, ela aproveitou um pouco o parquinho, no balanço e no brinquedinho de girar.
No camping tinha piscina também, mas achei que estava frio para ela entrar. Quem sabe na próxima vez.


Conclusões que chegamos sobre acampar com um bebe:

- 9 meses foi legal para começar, pois ela já conseguiu entender o que estava acontecendo e interagir, não nos arrependemos de não ter ido antes;
- precisamos nos organizar melhor as nossas tralhas antes de sair de casa, para levar somente o essencial, pois levamos muitas coisas que não usamos;
- precisamos nos organizar melhor na hora de desmontar as coisas para agilizar o processo, pois crianças não tem muita paciência, principalmente quando já estão cansadas.
- a escolha do camping com uma boa estrutura é fundamental;
- o camping tem que ser escolhido pensando neles (nas crianças), pois se eles curtem, tudo fica legal;
- os horários dos bebes/crianças tem que ser respeitados.
- voltaremos muita e muitas vezes.